Primeiramente é preciso esclarecer que as empresas de software não vendem Hardlock ou E-Licença. Elas comercializam o direito de uso de um programa de computador.

Para que servem o Harlock e a E-licença?

Na realidade ambos são mecanismos ou subterfúgios que as empresas de softwares utilizam para evitar que seus produtos sejam roubados. O roubo, propriamente dito, se dá quando alguma cópia não autorizada é utilizada por alguém que não pagou pela licença de uso. Cópias não autorizadas são conhecidas como “cópias piratas”.

As “cópias piratas” são geradas e comercializadas em grande escala por criminosos cibernéticos que as vendem pelos mais variados meios.

Embora esses crimes pareçam simples e comuns, juridicamente falando, tanto o indivíduo que utiliza cópia pirata quanto quem comercializa cópia pirata são considerados criminosos e passíveis de serem punidos no rigor da lei.

Infelizmente a justiça brasileira é lenta na punição desses criminosos e isso gera um enorme prejuízo a indústria de software. Essas por sua vez, não possuem outro caminho a não ser se protegerem por conta própria, ou seja, utilizando hardlocks e E-licenças.

Ao compararmos a hardlock e a e-licença, é possível observar uma evolução nos mecanismos de segurança. O uso de hardlocks se tornou ultrapassado e atualmente a E-licença proporciona maior proteção e segurança.

Se você quiser saber mais sobre cópias piratas, leia nosso artigo “Vale a pena utilizar uma versão pirata de um sistema?“.

Como é a pirataria em países desenvolvidos?

Em países desenvolvidos a propriedade intelectual é respeitada e amparada por leis rígidas com severas punições.  Já no Brasil, se uma empresa de software não se proteger contra a pirataria irá a falência em poucos meses.

Muitos não entendem que uma empresa de software é igual a uma empresa qualquer.  Possui suas despesas e receitas e dependem exclusivamente da comercialização de suas licenças para a continuidade de seus negócios. Como qualquer negócio, se você tiver seus produtos roubados, sofrerá prejuízos ou terá uma baixa rentabilidade. Isso implicará diretamente na qualidade dos serviços prestados aos clientes, como:

  • Correções e Melhorias;
  • Novas Ferramentas e Atualizações;
  • Suporte técnico por chat, telefone e e-mail;
  • Treinamentos online e presenciais;
  • Outros serviços.

Não é por acaso que as melhores e maiores empresas de software nascem nos países desenvolvidos.

Sendo assim, é compreensível quando uma empresa brasileira utiliza um dispositivo de proteção anti-pirataria. Ela está tentando apenas manter a qualidade de seus serviços e proteger usuários que investem de verdade em sua profissão.

Se você gostou deste artigo, compartilhe com seus amigos (principalmente aqueles que defendem a pirataria sem saber os riscos que estão correndo).